Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I

 

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa – parte I

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I – Introdução

A obra de ficção mais conhecida de Guimarães Rosa consta de contos, novelas e um romance monumental, publicado em 1956, que é Grandes Sertão: Veredas – livro que desconcertou a crítica.

Entre os livros de contos, destaca-se Sagarana, seu livro de estreia, publicado em 1946, que foi recebido como “uma das mais importantes obras aparecidas no Brasil contemporâneo”; Primeiras Estórias (1962); Tutaméia (Terceiras estórias), de 1967; e o livro póstumo Estas estórias (1969).

Corpo de Baile contém várias novelas e, a partir de 1964, foi desdobrado em três volumes: “Manuelzão e Miguilim”, “No Urubuquáquá, no Pinhém”, e “Noites do Sertão”. As duas primeiras, também conhecidas como “Uma estória de amor” e “Campo Geral”.

Como observa Beth Brait, em “Literatura Comentada”, da Abril Editora, “Campo Geral é uma narrativa profundamente lírica que traduz a habilidade de Guimarães Rosa para recriar o mundo captado pela perspectiva de uma criança”.

Pode-se dizer que Campo Geral é uma espécie de biografia, em que muitos críticos veem traços autobiográficos do autor. O tema do livro é a infância – a infância de um menino da roça, com usas descobertas da vida. Como sempre, tudo vem trabalhado com o inconfundível estilo de Guimarães Rosa numa linguagem estonteante nos seus recursos expressivos.

Quanto a “Uma estória de amor”, que focaliza a outra ponta da vida, de forma igualmente lírica, relata-se, ao mesmo tempo em que se vai reconstituindo a vida do vaqueiro sessentão Manuelzão, a festa de consagração de uma capela que ele faz construir na fazenda que administra. Toda a narrativa desenvolve-se na véspera de sair uma boiada, o tema boi serve de ligação entre as cenas, reaparecendo aqui e ali, dominante, ora como o próprio animal, ora como vaqueiro ou instrumento de trabalho (contracapa).

As duas novelas complementam-se como histórias de um começo e de um fim de vida. Enquanto a do menino é uma constante e por vezes dolorosa descoberta do mundo, a do vaqueiro sessentão é um relembrar também por vezes doloroso do que foi a sua vida, em que as recordações se misturam com os fatos do presente, como se aquela festa fosse a própria súmula de seus dias (contracapa).

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I – A novela como espécie Literária

Como espécie literária, a novela não se distingue do romance, evidentemente, pelo critério quantitativo, mas pelo essencial e estrutural.

Tradicionalmente, a novela é uma modalidade literária que se caracteriza pela linearidade dos caracteres e acontecimentos, pela sucessividade episódica e pelo gosto das peripécias.

Contrariamente ao romance, a novela não tem a complexidade dessa espécie literária, pois não se detém na análise minuciosa e detalhada dos fatos e personagens. A novela condensa os elementos do romance: os diálogos são rápidos e a narrativa é direta, sem muitas divagações. Nesse sentido, muita coisa que chamamos de romance não passa de novela.

Naturalmente a novela moderna, como tudo que é moderno, evoluiu e não se sujeita a regras preestabelecidas. Tal como o conto, parodiando Mário de Andrade, “sempre será novela aquilo que seu autor batizou com o nome de novela”.

Como autor (pós)-modernista, Guimarães Rosa procurou ser original, imprimindo, em suas criações literárias, a sua marca pessoal, o seu estilo inconfundível. Suas novelas, contudo, apesar das inovações, sempre apresentam aquela essência básica dessa modalidade literária, que é o apego a uma fabulação contínua como um rio, de caso puxa caso.

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I – Miguilim: Estrutura e enredo
Campo Geral é uma novela narrada em terceira pessoa. A estória, entretanto, é filtrada pelo ponto de vista de Miguilim, uma criança de oito anos. Por essa razão, a visão de mundo apresentada pelo autor é organizada a partir desta expectativa: a vivência de um menino sensível e delicado, empenhado em compreender as pessoas e coisas que o cercam.

A estória se desenvolve no Mutum, um remoto lugarejo das Gerais, e envolve várias personagens. Como é próprio da novela: a mãe, o pai, os irmãos, o tio, a avó e outras que têm relacionamento demorado ou passageiro com essa família.

Com cerca de 150 páginas, a novela se organiza à semelhança de Grande Sertão; Veredas, ou seja, a narrativa não é dividida em capítulos e as falas, nos diálogos, não se sujeitam às normas convencionais. A narrativa, entretanto, pode ser dividida em alguns núcleos básicos que passamos a descrever:

1) Ao completar sete anos, Miguilim é levado pelo tio Terêz até um lugarejo distante para ser crismado. Nessa viagem, uma lembrança que o marcou e que jamais esqueceu foi o dito de um moço que já estivera no Mutum: “É um lugar bonito, entre morro e morro, com muita pedreira e muito mato, distante de qualquer parte; e lá chove sempre…”

Essa opinião opunha-se à da mãe, que ali morava e vivia queixando-se do triste recanto. Ao voltar, esta será a sua primeira preocupação: dizer à mão “que o Mutum era lugar bonito”. A mãe, evidentemente, não lhe deu importância, apontando o morro como causa do seu infortúnio e da sua tristeza. “Estou sempre pensando que lá por detrás dele acontecem outras coisas, que o morro está tapando de mim, e que eu nunca hei de poder ver…”

2) A família de Miguilim é numerosa e compõem-se de pai, mãe, irmãos, avó, tios, empregados, gatos e cachorros. Inicialmente, o seu relacionamento é bom como todos eles, aos poucos, vai-se percebendo a sua maior predileção pelo irmãozinho Dito.

Mais novo do que Miguilim, Dito se destaca pela sabedoria e esperteza: “O Dito menor, muito mais menino, e sabia em adiantado as coisas com uma certeza, descarecia de perguntar”. “Dava até raiva, aquele juízo sisudo, o poder do Dito, de saber e entender, sem as necessidades”.

Grande era a amizade que unia os dois. Boa parte da novela concentra-se nessa amizade e nas conversas de ambos: “Era capaz de brinca com o Dito a vida inteira, o Ditinho era a melhor pessoa, de repente, sempre sem desassossego”.

3) A morte prematura de Dito vai provocar nele um impacto doloroso e chocante – exatamente Dito que não pensava em morrer e traçava planos para o futuro. “? Eu gosto de todos. Por isso que eu quero não morrer e crescer, tomar conta do Mutum, criar um gadão enorme. Mas Dito morre, e a desolação de Miguilim é total: “Miguilim doidava de não chorar mais e de correr por um socorro”. “Soluçava de engasgar, sentia as lágrimas quentes, maiores do que os olhos”. “Miguilim sentou no chão, num canto, chorava, não queria esbarrar de chorar, nem podia – Dito! Dito!…”

4) O relacionamento com o pai, a princípio, bom e cordial, vai-se deteriorando e chega ao clímax, quando, numa briga com um parente que os visitava, Miguilim é surrado violentamente por ele. A revolta detém-lhe as lágrimas e Miguilim nutre um ódio mortal pelo pai: “Não chorava, porque estava com um pensamento: quando ele crescesse, matava Pai”.

A mãe, sempre preocupada e zelosa, afasta-o de casa, mandando-o passar algum tempo com o vaqueiro Salúz. Miguilim retorna carrancudo e ainda mal-humorado: “Chegou e não falou nada. Não tomou bênção”.

A partir dessa cena, Miguilim começa a ajudar na capina da roça, quando passa mal e põe-se a vomitar. Estava doente, muito doente. O pai se desespera e é tomado de profunda comoção: “Pai chorava, demordia de morder os beiços”. Acabou perdendo a cabeça e “se enforcou com um cipó”, e Miguilim se restabeleceu.

5) O conflito gerado pelo relacionamento existente entre o pai, a mãe e o tio Terêz, irmão do Pai, é outro núcleo que se destaca na narrativa.

Tudo indicava que havia alguma coisa entre a mãe e o tio Terêz, e o pai certamente sabia. Uma vez, Miguilim viu-o bater na mãe e foi surrado também. A partir daí, o tio Terêz, tão amigo de Miguilim afasta-se da casa.

O ambiente estava carregado. Um temporal está prestes a desabar, o que fazia o Dito dizer sério:”? Por causa de Mamãe, Papai e Tio Terêz, Papai do Céu está com raiva de nós de surpresa… “

Tempos depois, quando levava comida para o pai no roçado, tio Terêz aparece a Miguilim e pede-lhe que entregue um bilhete à mãe. Esse bilhete segredo não revelado nem a Dito, torna-se, por muito tempo, o seu tormento, pois adivinhava o seu conteúdo. Acaba devolvendo-o ao tio. Terêz entende o seu dilema.

No final da narrativa, com a morte do pai, tio Terêz retorna e tudo acaba bem:”? Se daqui a uns meses não se casar com o tio Terêz, Miguilim, isso é do seu gosto? – indagava a mãe”. “? Tio Terêz, o senhor parece com Pai…” – dizia Miguilim.

6) A novela se encerra com uma cena altamente simbólica: a descoberta de que era míope e a possibilidade de uma nova vida em outro lugar. Foi assim:

De repente, chega ao Mutum, um senhor de óculos (Dr. Lourenço) e a amizade se estabelece: Deus te abençoe, pequeninho. Como é teu nome?

Miguilim. Eu sou irmão do Dito. E o homem de óculos logo foi percebendo (era doutor): “Por que você aperta os olhos assim? Você não é limpo de vista?”

Era isto mesmo: Miguilim era piticego, tinha vista curta, e não sabia. E então o senhor (que era doutor) tirou os óculos e deu-os a Miguilim:”? Olha, agora!

Miguilim olhou. Nem não podia acreditar! Tudo era uma claridade, tudo novo e lindo e diferente, as coisas, as árvores, as caras das pessoas. O Mutum era bonito! – agora Miguilim via claramente.

E então veio o convite: – O doutor era homem muito bom, levava o Miguilim, lá ele comprava uns óculos pequenos, entrava para a escola, depois aprendia ofício. E, assim, Miguilim teria uma nova perspectiva na vida: a criança de calça curta ia penetrar, agora, em um novo mundo.

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I – Personagens: Além de Miguilim, protagonista da estória, o qual se revela um menino sensível, delicado e inteligente ao longo da narrativa, o universo da novela “Campo Geral” é composto de várias outras personagens:

1) A família de Miguilim é constituída do pai (Nhô Berno), meio seco autoritário; a mãe (Nhanina), que “era linda e tinha cabelos pretos e compridos”; os irmãos Tomezinho e Dito; as irmãs Chica e Drelina; a avó Izidra; e o tio Terêz.

2) Fazendo parte da família, como empregadas da casa, destacam-se a preta Mãitina, Rosa Maria e Pretinha. Ligados à família, mas com alguma independência, destacam-se aqui também, os vaqueiros Salúz e Jé.

3) Ainda no universo da família, podemos inserir aqui os cachorros (sempre individualizados com um nome próprio), o gato Sossõe e o papagaio Papaco-o-Paco.

4) Entre os conhecidos e amigos, destacam-se o alegre e simpático seu Luisaltino, que veio morar com a família e ajudava o Pai no roçado.

Para finalizar, é importante observar que, ao contrário da cidade grande onde as pessoas praticamente são anônimas, no mundo roseano tudo e todos têm um nome que os caracteriza e individualiza.

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I – Manuelzão – Síntese: Mais conhecida como Manuelzão, o verdadeiro nome da novela é Uma estória de amor e se passa na Samara, “nem fazenda, só um reposto, uns currais de gado, pobre e novo ali entre o Rio e a Serra dos Gerais”.

A novela se abre com a expectativa de uma festa que reuniu muito povo e o padre para benzer a capela “- templozinho, nem mais que uma guarita, feita a dois quilômetros da Casa”, que Manuelzão faz construir, a pedido de sua mãe (dona Quilina), já falecida. Que é bastante lembrada ao longo da narrativa.

Num discurso indireto livre, em que o narrador parece falar pela boca de Manuelzão (tudo é filtrado pela sua ótica), a novela vai sendo conduzida sem divisão em capítulos, tangida como uma boiada, meio caoticamente, a lembrar do mundo inóspito e selvagem do sertão. Tudo gira em torno de Manuelzão, senhor da festa e da novela, que desbrava aquelas terras, cujo verdadeiro dono (Frederico Freyre) raramente aparecia por lá.

De cima de seu cavalo e dos seus quase 60 anos, Manuelzão contempla a azáfama do povo nos preparativos da festa e vai reconstituindo o seu passado de “porfia”, “fazendo outros sertões, comboiando boiadas, produzindo retiros provisórios”.

“Na Samara, Manuelzão conduzira o início de tudo, havia quatro anos, desde quando Frederico Freyre gostou do rincão e ali adquiriu seus mil e mil alqueires de terra asselvajada – Te entrego, Manuelzão, isto te deixo em mão, por desbravar! E enviou o gado.”

Sessentão solitário do sertão, que não destila o fel da casmurrice nem da solidão, Manuelzão busca no passado distante o Adelço, “filho natural, nascido de um curto caso”, agora já com 30 anos, casado com a Leonísia, e pais de sete filhos, seus netinhos. Entretanto, embora “mouro trabalhador”, o Adelço não é bem visto por ele, Manuelzão.

De repente, na calada da madrugada, quando todos dormiam, o inesperado: o riacho, dito “Seco Riacho”, que abastecia a casa com sua água e formosura, cessou. “Foi no meio duma noite, indo para a madrugada, todos estavam dormindo. Mas cada um sentiu, de repente, no coração, o estalo do silenciozinho que ele fez, a pontuda falta da toada, do barulhinho. Acordaram, se falaram. Até as crianças. Até os cachorros latiram. Aí, todos se levantaram, caçaram o quintal, saíram com luz, para espiar o que não havia (…).O riacho soluço se estancara, sem resto, e talvez para sempre. Secara-se a lagrimal, sua boquinha serrana. Era como se um menino sozinho tivesse morrido”.

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I: Criatura boa e humilde, talqualmente a mãe, dona Quilina, era o velho Camilo, que ali viera aportar a sua velhice, depois de “asilar-se em ranchos ou cafuas mal abandonadas no campo sujo”. Seo Camilo “era apenas uma espécie doméstica de mendigo, recolhido, inválido, que ali viera Ter e fora adotado por bem-fazer, surgido do mundo do Norte:

Ele asséste mais é aqui, às vezes descasca um milhozinho, busca um balde d’água. Mas tudo na vontade dele. Ninguém manda, não….

A festa tem início realmente, na véspera, com chegada do padre (frei Petroaldo), que é recebido com foguetes e muita alegria. “A voz do povo levantou um louvor, prazeroso. Via-se, quando se via, era muito mais gente, aquela chegança, que modo que sombras. Gente sem desordem, capazes de muito tempo calados, mesmo não tinham viso para as surpresas”.

Outras pessoas iam chegando para a festa: João Urúgem, homem estranho que vivia isolado como bicho; o senhor de Vilamão, “homem de muitas possas, de longes distâncias dentro de suas terras”, já alquebrado e velhinho, “o cabelo total embranquecido, trajado de vestimenta que não se usava mais em parte nenhuma- o cavour”; “chegava também o Lói, ex-vaqueiro, vestido com a baeta – um capote feito de baeta” e, fazendo muita algazarra , como se estivessem tangendo uma boiada, o Simão Faço mais seu irmão Jenuário e outros:”? Eh, Manuelzão, já fomos, já viemos…”. Chegou ainda “seo Vevelho, com seus filhos, tocadores de música”.

Assim, tocando a sua narração (mais dele do que do narrador que se mistura), Manuelzão vai ruminando casos e mais casos, ali em meio àquele povão, na animada festa:”? Estória! – ele disse, então. Pois, minhamente: o mundo era grande. Mas tudo ainda era muito maior quando a gente ouvia contada, a narração dos outros, de volta de viagens”.

Na calda da noite, dando uma trégua na festa, ecoam, por entre silêncios atentos e não dormidos, as estórias de Joana Xaviel, “essa que morava desperdida, por aí, ora uma ora noutra chapada”: “O seguinte é este…” Joana ia contando suas estórias de reis, rainhas e vaqueiros, que Manuelzão escutava, deitado, na espreita de o sono chegar: “Se furtivava o sono, e no lugar dele manavam as negaças de voz daquela mulher Joana Xaviel, o urdume das estórias. As estórias – tinham amarugem e docice. A gente escutava, se esquecia de coisas que não sabia”.

Nas elucubrações de Manuelzão, vira-e-mexe, a beleza de Leonísia, sua nora: “Leonísia era linda sempre, era a bondade formosa. O Adelço merecia uma mulher assim? Seu cismado, soturno caladão, ele encabruava por ela cobiças de exagero, um amuo de amor; a ela com todas as grandes mãos se agarrava”. Manuelzão ruminava: bem que o Adelço, depois da festa podia ir no seu lugar conduzindo a boiada, no comando, para longes distâncias. Afinal, não já estava sessentão? Não era ele quem mandava? “Eh, Manuel J. Roíz não bambeia!…” “Ele Manuelzão nunca respirara de lado, nunca refugara de sua obrigação”.

“Montado no meu cavalo eu abri este sertão…”

 

Continuar lendo o resumo de Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa

Manuelzão e Miguilim de João Guimarães Rosa I

Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Contact us

Vestibular1

O melhor site para o Enem e de Vestibular é o Vestibular1. Revisão de matérias de qualidade e dicas de estudos especiais para você aproveitar o melhor da vida estudantil. Todo apoio que você precisa em um só lugar!