A Carta de Pero Vaz de Caminha - Vestibular1

A Carta de Pero Vaz de Caminha

A Carta de Pero Vaz de Caminha

 

Abaixo o resumo do livro A Carta de Pero Vaz de Caminha, para que você relembre os principais aspectos da obra, na hora da prova. Lembre-se: nada substitui a leitura na íntegra.
Um dos nossos objetivos é fazer com que você se interesse pela leitura da obra.
A leitura faz com que você conheça novas culturas, artes, línguas e literatura mundial.

A Carta de Pero Vaz de Caminha

A carta que Pero Vaz de Caminha escreveu para D. Manuel, o rei de Portugal na época do descobrimento do Brasil, relata com detalhes a chegada dos portugueses no Brasil, como foram os primeiros contatos destes com os indígenas e, a partir desta carta, podemos perceber as intenções portuguesas quanto à nova terra e, o que seria dela depois de então.

A partida frota portuguesa de Belém-Portugal ocorreu no dia 9 de março, a chegada às Canárias no dia 14 do mesmo mês, e no dia 22 chegaram à ilha de São Nicolau.
No dia 21 de abril, toparam com sinais de terra, o que eles chamam de Botelho, espécie de ervas compridas.

A Carta de Pero Vaz de Caminha: No dia seguinte, houveram vista de terra, que foi chamada de Terra De Vera Cruz, a qual tinha um monte alto, que recebeu o nome de o Monte Pascoal.
Avistaram os primeiros habitantes da terra, os quais eram, de acordo com a descrição de Caminha, pardos, um tanto avermelhados, de bons rostos e narizes, nus, traziam arcos e setas, o beiço de baixo furado com um osso metido nele, cabelos corredios e corpos pintados.
Com eles tentaram estabelecer um primeiro contato, o que foi uma surpresa, pois um deles começou a apontar para o colar de ouro do capitão da frota e, em seguida, para a terra, como se quisesse dizer que naquela terra havia ouro.
A mesma coisa ocorreu com o castiçal de prata e o papagaio.
Ao verem coisas que não conheciam, faziam sinais, dando-se a entender que queriam propor uma troca.

A Carta de Pero Vaz de Caminha: Conclui-se então, que desta forma começou a troca de ouro, prata e madeira, por quinquilharias vindas da Europa.
Os portugueses traziam os indígenas para as embarcações, a fim de estabelecer um melhor contato com os indígenas.
No início, eles mostraram-se muito esquivos, mas com o passar dos dias, passaram a conviver mais com os portugueses e, até mesmo, a ajudá-los no que precisavam e levá-los às suas aldeias.

Os portugueses realizaram uma missa, construíram uma enorme cruz. Tudo para mostrar aos nativos a acatamento que tinham pela cruz, ou melhor, pela religião.
Desde já, possuíam a vontade de convertê-los à igreja, tendo em vista, sua inocência, já que faziam tudo o que os portugueses faziam ou mandavam…
A intenção de dominá-los é facilmente observada na seguinte passagem: “Contudo, o melhor fruto que dela se pode tirar parece-me que será salvar esta gente”.

Leia a carta na íntegra:  A Carta de Pero Vaz de Caminha

Leia também: A Carta a El Rei D. Manuel de Pero Vaz de Caminha

Leia sobre a escola literária Quinhentismo
Veja como fazer uma Interpretação de Texto

Apostilas de todas as matérias para download grátis. Resumos, revisão de matérias, trabalhos prontos, exercícios resolvidos, simulados e muito mais! Vestibular e Enem.

A Carta de Pero Vaz de Caminha

Share On Facebook
Share On Twitter
Share On Google Plus
Share On Linkedin
Contact us

Vestibular1

O melhor site para o Enem e de Vestibular é o Vestibular1. Revisão de matérias de qualidade e dicas de estudos especiais para você aproveitar o melhor da vida estudantil. Todo apoio que você precisa em um só lugar!